Roboescova

Robô Escova

Conhecendo a robótica BEAM

Certa vez estava pesquisando na internet sobre assuntos variados e acabei por acaso conhecendo a robótica B.E.A.M. Interessei-me imediatamente pelo assunto.

A robótica B.E.A.M. é um conceito sobre construção de pequenos robôs que tenta copiar a estética e o comportamento de organismos naturais usando poucos componentes, geralmente analógicos, que atribuem ao robô um comportamento baseado em flutuações do caos, com resultado incrivelmente “vivo”.

Existem muitos tipos de BEAMs, classificados por tipos, ou por classe de comportamento. Existem muito material na internet sobre esse assunto, é só pesquisar por “BEAM robotics” ou “Robótica BEAM” para saber mais.

Neste artigo vamos aprender a construir um B.E.A.M clássico que chamaremos de Robô-Escova. Ele faz parte da classe de BEAMbots chamados de Squirmers, robôs que fazem alguma coisa interessante.


Sustentabilidade

Outro aspecto interessante da robótica BEAM é que devido à simplicidade dos desenhos os robôs podem ser fabricados com diversos tipos de sucata, o que confere a este tipo de trabalho um caráter sustentável, pois os praticantes da robótica BEAM têm a oportunidade de reutilizar materiais que de outra forma seriam descartados no meio ambiente.


Como funciona o robô-escova?!

O robô-escova opera um conceito muito simples. O seu corpo é feito da cabeça de uma escova de dente. O motor do seu movimento é um vibrador de celular e a sua fonte de energia é uma pilha comum.

Cabeça da escova

Cabeça da escova

Motor de vibrador de celular

Motor de vibrador de celular

Robô escova montado, note o peso na ponta do eixo rotor.

Robô escova montado, note o peso na ponta do eixo rotor.

O funcionamento é bastante simples: O motorzinho é acionado pela pilha e possui um peso acoplado ao eixo motor chamado de “volante”.

Normalmente os volantes devem ser balanceados para evitar vibrações mas o truque que faz esse motor vibrar é que o volante é composto por um peso desbalanceado propositalmente.

Com a rotação, o conjunto motor/eixo/peso é jogado de um lado para outro pois o peso está distribuído de maneira desigual então surge um vetor de força centrífuga de um lado do volante que não tem o equivalente inverso (do outro lado do eixo) para equilibrar a rotação e então a coisa toda vibra. Quanto mais rápido o motor gira o eixo, maior é a força da vibração.

Esse comportamento de um volante desbalanceado é fortemente evitado em máquinas, tais como nossos carros por exemplo. Quando isso ocorre em um mecanismo que não foi projetado para essa função, efeitos indesejados ocorrem como barulhos, desgastes e vibrações indesejadas que danificam o equipamento.

O elemento de vibração dos celulares aproveitam essa vibração, e nosso robô-escova também, transferindo-as para as cerdas da escova, que ao vibrar fazem com que o nosso robozinho “flutue” em cima da mesa. Veja que interessante o movimento semi-aleatório do brinquedo.

Na próxima página você poderá acompanhar nosso tutorial de construção do robô escova.